Parcele em até 3x sem juros|3% de desconto no boleto

Atendimento

Horário de funcionamento:

Seg à sex das 8h às 12h | 13h às 18h

Sáb das 8h às 12h

0

Hidróxido De Alumínio 150ml (Pepsamar) - Mariol

  • Descrição


A venda desse medicamento é restrita, pois nós somos distribuidores, que ao contrário de farmácias, não fazemos retenção de receitas médicas. A comercialização via CPF é permitida para profissionais que possam responder pelo uso desse medicamento, como Médicos, Médicos Veterinários e Dentistas, tendo a obrigatoriedade de enviar a cópia frente e verso de suas respectivas carteiras profissionais no nosso e-mail de contato (vendas@hospitalardistribuidora.com.br). A venda para CNPJ deverá ser enviado no mesmo e-mail de contato, as cópias do Alvará SanitárioCertificado de Regularidade Técnica e o Contrato Social.



Apresentação:



Hidróxido de alumínio suspensão oral contém hidróxido de alumínio, que é um medicamento antiácido que neutraliza a acidez do estômago e também protege, mediante barreira física, a mucosa (camada interna) deste órgão. Sua ação começa minutos após a administração.





O hidróxido de alumínio alivia os sintomas de azia (queimação) e má digestão associadas à doenças como: refluxo, hérnia de hiato e hiperacidez. Está também indicado como tratamento auxiliar das gastrites e úlceras gastroduodenais.





Não se deve usar em pacientes com hipofosfatemia (deficiência de fosfato), insuficiência renal crônica grave, obstrução intestinal, porfiria e dores abdominais agudas que podem ser, por exemplo, manifestações de apendicite. Não utilizar se tiver hipersensibilidade (alergia) aos componentes da fórmula.





Uso na gravidez

Este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas, a não ser que seja prescrito pelo médico ou cirurgião-dentista.

Uso na amamentação

Este medicamento não deve ser usado por mulheres que estejam amamentando, a não ser que seja prescrito pelo médico ou cirurgião-dentista.

Uso em idosos

Este medicamento deve ser utilizado com cautela pelos pacientes idosos, pois o uso prolongado pode provocar a diminuição de fósforo, aumento da eliminação de cálcio e o acúmulo de alumínio no organismo. Estes distúrbios podem agravar as doenças ósseas.

Usos em crianças

Os antiácidos não devem ser usados em crianças com menos de 6 (seis) anos de idade, a não ser sob orientação médica.

Uso em pacientes com insuficiência renal

Nestes pacientes pode haver acúmulo de alumínio originando ação tóxica sobre o cérebro (encefalopatia) e esqueleto (osteomalácia), portanto deve ser usado com cautela.

Uso em pacientes com Doença de Alzheimer

O uso prolongado deste medicamento, devido ao acúmulo de alumínio, pode agravar a Doença de Alzheimer.





Este medicamento deve ser usado com cautela pelos pacientes idosos, pois o uso prolongado pode provocar a diminuição de fósforo, aumento da eliminação de cálcio e acúmulo de alumínio no organismo. Estes distúrbios podem agravar as doenças.





Pode causar prisão de ventre e interferir com diversos outros medicamentos. Pacientes em uso de dipiridamol deve evitar antiácidos. A ingestão de hidróxido de alumínio pode provocar a diminuição de fosfato no organismo, portanto, o paciente deverá manter uma dieta rica em fósforo durante o uso. Caso o paciente tenha sangramento intestinal, prisão de ventre (intestino preso) ou hemorróidas, não utilize hidróxido de alumínio por mais de duas semanas, sem antes informar ao seu médico. Durante o uso deste medicamento você deve evitar o uso de bebidas alcoólicas. Não use este medicamento por mais de duas semanas (14 dias) sem antes informar ao seu médico.





Hidróxido de alumínio reduz a velocidade de absorção de diversos medicamentos como ferro, tetraciclinas, fenotiazinas (clorpromazina), digoxina, fluoretos, indometacina, isoniazida, ranitidina, cimetidina, sulfadiazina, gabapentina, fenitoína, itraconazol, cetoconazol, cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina, antibióticos do grupo quinolonas (ciprofloxacina, norfloxacina, ofloxacina), cefpodoxima, rifampicina, enalapril, fexofenadina, bifosfonatos, diflunisal, lítio, alendronato, alopurinol, clorpropamida, clorazepato, fexofenadina, inibidores da enzima conversora de angiotensina (captopril, enalapril e possivelmente outros), penicilina, didanosina, medicamentos antiplaquetas, prednisona e vitaminas lipossolúveis. Também aumenta a eliminação renal de fármacos ácidos como os salicilatos (ácido acetilsalicílico) e o fenobarbital, ao passo que reduz a eliminação de anfetaminas (por exemplo, anfepramona), pseudoefedrina, quinidina e outros de caráter alcalino, aumentando o risco de intoxicação por estes medicamentos.

O ácido ascórbico aumenta a toxicidade pelo alumínio podendo originar convulsão e mudança de personalidade.

A administração concomitante de hidróxido de alumínio com diuréticos tiazídicos (por exemplo, hidroclorotiazida) pode levar ao aumento dos níveis de potássio no sangue e insuficiência renal. Cautela no uso concomitante com medicamentos antiplaquetas; o uso de dipiridamol e antiácidos deve ser evitado.

Os beta-bloqueadores adrenérgicos (por exemplo, propranolol e atenolol) tem sua eficácia reduzida.

Não altera a absorção dos contraceptivos orais, omeprazol, olanzapina, paroxetina e varfarina.