Seja bem vindo ! Faça seu login ou cadastre-se
Você esta em: MEDICAMENTOSF › FUROSEMIDA 20MG INJETÁVEL DE 2ML(LASIX) - SANTISA
foto social
Foto principal de FUROSEMIDA 20MG INJETÁVEL DE 2ML(LASIX) - SANTISA
  • FUROSEMIDA 20MG INJETÁVEL DE 2ML(LASIX) - SANTISA - Foto 1
  • FUROSEMIDA 20MG INJETÁVEL DE 2ML(LASIX) - SANTISA - Foto 2

FUROSEMIDA 20MG INJETÁVEL DE 2ML(LASIX) - SANTISA

Furosemida, ampola 20 mg., injetável.

Modelo:
Referência/Código:
Quant. disponível: 3976 Un
Peso por unidade: 0.02 Kg
Por R$3,15
pague R$3,06 com desconto

pagamento e condições
Quant.
a comprar
  
  • caso tenha alguma dúvidas sobre o produto FUROSEMIDA 20MG INJETÁVEL DE 2ML(LASIX) - SANTISA
  • indique o produto FUROSEMIDA 20MG INJETÁVEL DE 2ML(LASIX) - SANTISA

Furosemida
Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder à sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Solução injetável - embalagens com 5 ampolas com 2 ml

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

COMPOSIÇÃO -

Cada ml contém:

Furosemida .................... 10 mg

Veículo q.s.p. .................... 1 ml

 

INFORMAÇÃO TÉCNICA - LASIX Solucao injetavel

A furosemida solução injetável, é um diurético1 do grupo dos saluréticos e tem ação em todas as regiões do  néfron, com exceção do túbulo distal, com predomínio de ação no segmento ascendente da alça de Henle.

Mesmo em presença de filtração glomerular insuficiente, a furosemida promove um aumento da eliminação de sódio e água.

Devido a estas características, a furosmida solução injetável é usado no tratamento de edemas associados a doenças cardíacas e hepáticas (ascite6); de edemas devido a doenças renais (na síndrome nefrótica7, a terapia da doença causal tem prioridade); de insuficiência cardíaca8 aguda, especialmente no edema9 pulmonar (administração conjunta com outras medidas terapêuticas); de produção urinária reduzida devido a gestose (após a restauração do volume de líquidos ao normal); de edemas cerebrais como medida de suporte; de edemas devido a queimaduras; de crises hipertensivas (em adição a outras medidas anti- hipertensivas e para suporte de diurese10 forçada em envenenamentos.

A administração intravenosa ou intramuscular de furosemida solução injetável é indicada em todos casos onde a absorção intestinal estiver prejudicada ou for necessária rápida eliminação de líquido.

INDICAÇÕES - 


Edemas devido a doenças cardíacas e hepáticas (ascite6); edemas devido a doenças renais (na síndrome nefrótica7, a terapia da doença causal tem prioridade); insuficiência cardíaca8 aguda, especialmente no edema9 pulmonar (administração conjunta com outras medidas terapêuticas); eliminação urinária reduzida devido a gestose (após restauração do volume de líquidos ao normal); edemas cerebrais como medida de suporte; edemas devido a queimaduras; crises hipertensivas (em adição a outras medidas anti- hipertensivas) e indução de diurese10 forçada em envenenamentos.

CONTRA-INDICAÇÕES - 

Insuficiência renal11 com anúria12, pré- coma13 e coma13 hepático, hipopotassemia severa, hiponatremia severa, hipovolemia14 com ou sem hipotensão15, hipersensibilidade à furosemida ou sulfonamidas.

PRECAUÇÕES - 


Uma cuidadosa vigilância em particular se faz necessária nos casos de:

. pressão sangüínea16 marcadamente reduzida

. diabete melito latente ou manifesto (controle regular da glicemia17)

. gota18 (controle regular do ácido úrico)

. obstrução à micção (ex.: em hipertrofia19 prostática, estenose ureteral, hidronefrose20)

. presença concomitante de cirrose21 hepática e insuficiência renal11

. hipoproteinemia

. crianças prematuras (possível desenvolvimento de cálculos renais contendo cálcio [nefrolitíase] e deposição de sais de cálcio no tecido22 renal23 [nefrocalcinose]; a função renal23 deverá ser monitorizada e deverá ser realizada uma ultrassonografia renal23)

Durante a gravidez2, a furosemida só deve ser usada se estritamente indicada e somente por curtos períodos de tempo.

No período da amamentação24, quando o uso de furosemida for considerado necessário, deve ser lembrado que a furosemida passa para o leite e inibe a lactação25. É aconselhável interromper a amamentação24 nesses casos.

Durante tratamento a longo prazo, a creatinina26 e uréia27 séricas devem ser controladas regularmente, assim como os eletrólitos plasmáticos, em particular potássio, cálcio, cloreto e bicarbonato. Se a furosemida for utilizada em pacientes com hipopotassemia ou hiponatremia leves, uma reposição eletrolítica apropriada deverá ser administrada  concomitantemente.

Se este produto for usado para tratamento de hipertensão28, o paciente deve ser regularmente assistido pelo médico.

Apesar de a administração da furosemida só raramente conduzir a uma hipopotassemia, é sempre aconselhável uma dieta rica em potássio (carne magra, batatas, bananas, tomates, couve- flor, espinafre, frutas secas etc). Ocasionalmente, pode ser indicado o tratamento com produtos que contenham potássio ou poupadores de potássio.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS -

Quando um glicosídeo cardíaco for administrado concomitantemente, deve ser lembrado que a deficiência de potássio ou magnésio aumenta a sensibilidade do miocárdio aos digitálicos.

No caso de medicação concomitante com glicocorticóides, carbenoxolona (anti- ulceroso) ou de abuso de laxantes29, deve ser lembrado o risco de uma perda aumentada de potássio. O alcaçuz atua da mesma maneira que a carbenoxolona.

A furosemida pode potencializar os efeitos nefrotóxicos de certos antibióticos (por ex. aminoglicosídeos, polimixinas). Devido a isso, a furosemida deve ser usada com cautela em pacientes com comprometimento renal23 induzido por antibióticos.

Deve ser lembrado que a ototoxicidade30 dos antibióticos aminoglicosídicos (por ex. canamicina, gentamicina, tobramicina) pode ser potencializada quando a furosemida for usada concomitantemente. Os efeitos resultantes sobre a audição podem ser irreversíveis.
Devido a isso, esta combinação de fármacos deve ser restrita a indicações vitais.

Existe a possibilidade de comprometimento da audição se a cisplatina e furosemida forem administradas concomitantemente. Se o objetivo for aumentar a excreção urinária com a furosemida (diurese10 forçada) durante o tratamento com a cisplatina, deve- se ter cuidado de usar a furosemida somente em baixas doses (ex. 40 mg quando a função renal23 for normal) e com um balanço hídrico positivo. De outra forma, a nefrotoxicidade da cisplatina pode ser aumentada.

Algumas vezes a furosemida diminui a potência de outras drogas (por ex. o efeito de antidiabéticos e de aminas pressoras como a  adrenalina e nor- adrenalina) ou potencializa o efeito de outras (por ex. no caso de salicilatos, teofilina, lítio e relaxantes musculares curare-miméticos).

A ação de outras drogas hipotensoras pode ser potencializada pela furosemida. Especialmente quando em combinação com os inibidores da ECA, pode ser observada uma marcante queda na pressão sangüínea16, algumas vezes progredindo para choque31 e, nos pacientes previamente tratados com a furosemida, pode haver uma deterioração da função renal23, algumas vezes progredindo para insuficiência renal11 aguda.

Agentes antiinflamatórios não esteróides (por ex. indometacina, ácido acetilsalicílico) podem atenuar a ação da furosemida e sua administração concomitante pode causar insuficiência renal11 aguda no caso de hipovolemia14 pré- existente.

A diminuição do efeito da furosemida tem sido também descrita após administração concomitante da fenitoína e do probenecide.

Sensação de calor, perspiração, agitação, náusea32, elevação da pressão arterial sanguínea e taquicardia33 podem ser encontrados em  casos isolados após a administração endovenosa da furosemida dentro das 24 horas da ingestão de hidrato de cloral.

REAÇÕES ADVERSAS - 


Assim como com outros diuréticos34, após terapia prolongada, o balanço eletrolítico e hídrico pode ser prejudicado como resultado da diurese10 aumentada (excreção de eletrólitos).

No início do tratamento, especialmente em crianças e pacientes idosos, a diurese10 excessiva pode conduzir a distúrbios circulatórios com sintomas35 de hipovolemia14, tais como sensação de pressão na cabeça, cefaléia36, tontura37, secura da boca ou distúrbios da visão e alteração da regulação circulatória quando da posição ereta. Além disso, em casos extremos, pode levar à perda de água corporal (desidratação38) e, como conseqüência do volume sangüíneo circulante reduzido (hipovolemia14), a um aumento na concentração do sangue39 (hemoconcentração) com - especialmente em pacientes idosos - trombofilia.

Entretanto, com a posologia individualizada, de modo geral, as reações hemodinâmicas agudas não são esperadas, apesar da diurese10 começar rapidamente.

A deficiência de potássio pode manifestar- se através de sintomas35 neuromusculares - fraqueza muscular e paralisia40 completa ou incompleta, sintomas35 intestinais - vômitos41, constipação42 e acúmulo excessivo de gases no abdome ou intestino (meteorismo43), sintomas35 renais - volume excessivo de enviar uma pergunta / dúvida

 
PRODUTOS VISITADOS CATEGORIAS VISITADAS PALAVRAS PESQUISADAS